quarta-feira, dezembro 30, 2009

Um conto, eu conto.


A quanto tempo não me chegava aos olhos uma surpresa terna?
Nossa, aquele convite, aquele sorriso, aquele cheiro!
Era irresistível! Igual a minha curiosidade latente perante aquele poço de mistério.
Sabem o que dizem? Que quanto mais se tem, mais se quer, e é verdade, eu quero mais.
Mais daquela conversinha, daqueles assuntos, daquelas risadas, daquilo tudo que de tão distante,
chegava parecer mentira.
Tudo proibido. Depois daquela noite cheia de muitos goles, risadas altas e passos largos, corri para onde sabia que poderia encontrar o final de noite mais gostoso da vida. De longe, olhando.
Meus olhos presos aquilo tudo que eu queria sentir. Queria mesmo, naquela noite não precisava esconder. Parecia teatro. Eu não era eu e você não era você, éramos outros, outras e tudo numa simbiose louca que só terminava quando não aguentavamos mais nem um suspiro. Ai, foi bom.
Tudo com muito respeito, os impulsos regidos pelo desejo de estar ali e nada mais.
Depois, uma cerveja gelada pra acalmar os ânimos, um sorriso abafado e a certeza de que tudo valeu a pena.
Que pena!
Acordei num pular tombante. Respiração ofegante. Cheiro delirante...
Ah, era o cheiro do café que vinha da cozinha pela manhã. Foi um sonho, foi um sonho!
Mas foi bom, desse jeito não vem a dor na consciência,
Vai mantendo a aparência,
Ai, mas que merda!
Paciência!
_______________________________

Nada a declarar hoje, eu ouço as estórias e as reproduzo!
E um beijo!

2 comentários:

Café no sangue cura. disse...

o café quente, em meio a risadas e saraivadas de estimulos, tanto mentais e porque não carnais? é o mundo e a escrita por ele mesmo e é deslumbrante tantas palavras ai, de ousadia e sinceridade e acima de tudo de primor.

Que texto foda hahahaha
muito, muito bom!

:***

.bárbara disse...

hoje foi a terceira vez que esse texto. e só agora reparei que "foi um sonho".

hihii amei, não é uma história sua? hummm, interessante, a forma de contar é imaginativa e descntraída ^^
AMEI ^^

:*** anne beth