sexta-feira, julho 25, 2008

hoje.


Tive uma sensação estranha quando acordei, que não consegui definir, só agora, depois que o dia acabou.
Sensação de passado. De mudança, estranhamente ligada ao passado.
Uma coisa muito louca ligada também à outros ares, que viram, mas sem duvidar que o passado sempre deixa saudades, de uma forma ou de outra.
Agora, de noite, meu irmão, que enquanto olhava o orkut de uma velha amiga minha, quis ouvir o velho cd de Pitty - o primeiro/o melhor pra mim - e eu, consequentementem, também ouvi. Isso fez explodir em mim o alge da sensação de passado.
A verdade é que fico meio receosa com as mudanças, sempre fui assim, medo de perder o que já tenho, ou de mudar "para pior". Ouvindo às músicas, entretanto, tive a certeza que as mudanças geralmente são boas, sempre trazem renovação. Tive um sentimento bom, uma saudade boa daquela época, de tudo que vivi, e olhando pra trás, vi que as tranformações que sofri me mudaram para melhor, e que todo meu medo não adiantou, porque o tempo não esperou ele sumir, me engoliu, me testou e eu ainda estou aqui.
Consegui me reconhecer ainda naquelas músicas "empoeiradas", consegui associá-las
a coisas da minha vida hoje sem esquecer das minhas lembranças. Isso é tão bom. Me fez ver que não perdi nada, só ganhei, ou deixei de ganhar(o que esperava) ainda em algumas situações, não perdendo nada, de qualquer maneira.


Temporal

Pitty


Chega simples como um temporal
Parecia que ia durar
Tantas placas e tantos sinais
Já não sei por onde caminhar.

E quando olhei no espelho
Eu vi meu rosto e já não o reconheci
E então vi minha história
Tão clara em cada marca que tava ali.

Se o tempo hoje vai depressa
Não tá em minhas mãos
Cada minuto me interessa
Me resolvendo ou não.

Quero uma fermata que possa fazer
Agora o tempo me obedecer
E só então eu deixo
Os medos e as armas

Chega simples como um temporal (os medos e as armas)
Parecia que ia durar (os medos e as armas)
Tantas placas e tantos sinais
Já não sei por onde caminhar

E quando olhei no espelho
Eu vi meu rosto e já não o reconheci
E então vi minha história
Tão clara em cada marca que tava ali.

Se o tempo hoje vai depressa
Não tá em minhas mãos
Cada minuto me interessa
Me resolvendo ou não.

Quero uma fermata que possa fazer
Agora o tempo me obedecer
E só então eu deixo
Os medos e as armas
Eu deixo eu medos e as armas
Eu deixo os medos e as armas pra trás
E as armas pra trás
E as armas pra trás...




É, e eu poderia colocar qualquer outra música desse cd aqui, que causaria o mesmo efeito.(em mim)
Eu mudei, mas não deixei de ser eu/a mesma.



ouvindo: Pitty - Admirável Chip Novo. (o cd inteeeiro, várias vezes)

2 comentários:

mai. disse...

hm. adorei *-*

S2

Gabriela Cardoso disse...

bom saber que vc tem um blog, adorei seus textos